Resumo Home Broker e Análise Técnica

1. Preâmbulo

- Cotação de abertura ou preço de abertura: é a cotação da primeira operação, portanto, contém a primeira variação do dia, tal variação vai se acumulando durante o pregão. O gráfico de preços tem uma seqüência de valores um após o outro.
- Preço máximo/mínimo de compra ou preço máximo/mínimo de venda: o termo correto é só preço máximo ou preço mínimo porque a compra e a venda são simultâneas, uma pessoa compra e a outra vende. Porém, em relação a apenas uma pessoa esse termo pode ser empregado.
- Não confundir melhor oferta ou melhor preço de compra/venda com preço melhor. O preço melhor é o maior preço de venda para quem vende e menor preço de compra para quem compra (o mais vantajoso). E a melhor oferta tem o menor preço de venda para quem vende e maior preço de compra para quem compra (facilita o negócio). A melhor oferta fica na primeira linha do livro de ofertas.

Melhor oferta de compra: é ofertado o maior preço para a compra. Maior oferta. É o preço do melhor comprador.
Melhor oferta de venda: é ofertado o menor preço para a venda. Menor oferta. É o preço do melhor vendedor.
As ofertas registradas no Sistema Eletrônico de Negociação serão exibidas segundo o princípio de prioridade de melhor preço (para concretização do negócio). As ofertas a preços iguais serão exibidas de acordo com a ordem cronológica de seu registro.
Como será visto mais a frente, no book de ofertas a primeira linha corresponde a melhor oferta, ou seja, a melhor proposta para a concretização do negócio. Quem paga mais compra primeiro e quem vende por menos vende primeiro.

Compra
Venda

Melhor Oferta de Compra
Melhor Oferta de Venda
Ordem decrescente de valores
Ordem crescente de valores

Preço melhor de compra: é o menor preço para a compra, o mais barato (ordem limitada).
Preço melhor de venda: é o maior preço para a venda, o mais caro (ordem limitada).
Preço do melhor vendedor: é o menor preço de venda.

A melhor oferta facilita a concretização do negócio.
Preço melhor é aquele mais vantajoso para quem deu a ordem.

2. Home Broker

- Pregão: sessão ou período regular ou especial para realização de operações (horário comercial).
* Também pode se referir ao intervalo de tempo utilizado pelo gráfico do tipo cantlestck.
- Leilão: o procedimento especial realizado com destaque dos demais negócios, especificando-se obrigatoriamente o ativo, preço e quantidade.
- Oferta: ato do operador.
- Ordem: ato do cliente.
- Variação de preço para negócios registrados serão aceitos negócios com a variação máxima positiva ou negativa de 2% em relação ao preço de fechamento do pregão regular.
- Tick: é o valor correspondente à menor variação de preço de um ativo (R$ 0,01 no seguimento BOVESPA).
- O Pregão reger-se-á segundo o princípio geral de que havendo apregoação a melhor preço tanto na compra quanto na venda, não será permitido fechar negócio a preço inferior na compra ou superior na venda, enquanto não for atendido o apregoador a melhor preço.
- As ofertas registradas no Sistema Eletrônico de Negociação serão exibidas segundo o princípio de prioridade de melhor preço. As ofertas a preços iguais serão exibidas de acordo com a ordem cronológica de seu registro.

Cada home broker tem lay-out, funcionalidade e recursos diferentes, a tabela abaixo representa um book de ofertas com dados básicos com a finalidade educacional.
A compra e venda dos ativos são feitas por lances que são registrados no livro de ofertas através das ordens de compra na coluna da esquerda e ordens de venda na coluna da direita.
Ordens de compra: os ativo são listados em ordem decrescente de acordo com o valor, ou seja, no topo da lista são descritas as ordens de compra de maior valor, isso quer dizer que a primeira ordem da lista é a melhor oferta de compra que é a mais alta.
Ofertas de compra de mesmo valor são disponibilizadas de acordo com a ordem cronológica (ordem de chegada).

Ordens de venda: os ativo são listados em ordem crescente de acordo com o valor, do menor para o maior. O primeiro da lista é a ordem que tem o menor valor, isso quer dizer que a primeira ordem da lista é a melhor oferta de venda que é a mais baixa.
Ofertas de venda de mesmo valor são disponibilizadas de acordo com a ordem cronológica (ordem de chegada).

Toda vez que o sistema registra ordens de compra e de venda do mesmo valor, o negócio é executado e as ordens, automaticamente, são removidas das listas de oferta de compra e de venda deste ativo.
Book de Ofertas:
Ativo: BBAS3
Ult. (7)
Variação: (8)
Ordens de Compra
Ordens de Venda
Corr.(1)
Qt (2)
Compra (3)
Venda (4)
Qt. (5)
Corr (6)
8
100
26,73
26,75
100
40
8
800
26,72
26,77
1k
735
85
900
26,72
26,78
1,4k
8
...
...
...
...
...
...
(1) Corr: exibe o código da corretora em que a operação de compra foi registrada.
(2) Qt: apresenta a quantidade de papéis das melhores ofertas de compra.
(3) Compra: os preços de compra são dispostos em ordem decrescente de preços, o melhor preço de compra é o maior preço.
(4) Venda: os preços de vendas são dispostos em ordem crescente de preços, o melhor preço de venda é o menor preço.
(5) Qt: apresenta a quantidadede papéis das melhores ofertas de venda.
(6) Corr: exibe o código da corretora em que a oferta de venda do ativo foi registrada.
(7) Ult: é o valor do último ativo negociado no pregão atual.
(8) Variação: variação percentual do preço do ativo apartir da primeira negociação.
Volume (R$)
: é a soma de todos os valores pagos por compradores (e recebido por vendedores) no período da cotação.
Tickers: faixas que ficam apresentado cotações de ação, com os nomes das mesmas seguidas de seu “preço”, também normalmente estão mostrando o valor do último negócio.
Considerações:
1) Compras instantâneas: realizadas automaticamentes com preço de compra acima do preço de venda.
2) O registro no book de ofertas constará apenas as ofertas de compra com preços abaixo dos preços das oferas de venda.
3) A maior probabilidade de compra é a que tem o preço maior.
4) A maior probabilidade de venda é a que tem o preço menor.
5) Ao efetuar uma compra com preço limite (tomando como base o preço de fechamento do dia anterior) antes do início do pregão, poderá a compra ser efetuada a um preço acima do preço de abertura.

Obs:
- PREGÃO: – sessão ou período regular ou especial para realização de operações.
- Leilão: o procedimento especial realizado com destaque dos demais negócios, especificando-se obrigatoriamente o Ativo, preço e quantidade.
- spread: é a diferença entre a melhor oferta de venda e de compra, ex: (26,75) - (26,73) = 0,02.
- Tick: R$ 0,01 (menor variação de preço de um ativo).

Ordens mais próximas ao preço de mercado (valor da última negociação) têm prioridade. Em ordens com valores iguais, a que foi enviada primeiro tem prioridade. O volume da ordem não afeta sua prioridade, mas esta ordem pode ser executada com diferentes ofertas para poder ser 100% executada.
O spread, diferença entre o melhor valor de venda e de compra é um excelente indicador de liquidez ou FORÇA DO MERCADO.
Ativos que são muito negociados e que possuem uma grande quantidade de ordens enviadas todos os minutos, tendem a ter uma diferença mínima entre a compra e a venda. Enquanto que ativos com menos liquidez, e que portanto são negociados com menos frequência, tendem a ter um espaço maior entre a compra e a venda.

Para o fechamento de negócios no momento da abertura do leilão, o sistema adotará a seguinte prioridade para as ofertas:
As Ofertas ao Preço de Abertura (PA) são as que têm maior prioridade, se na abertura do leilão esta oferta não for atendida em sua totalidade, a mesma permanecerá registrada para a quantidade não atendida ao preço limitado de abertura do leilão; ofertas limitadas por ordem de preço (quem paga mais compra primeiro e quem vende por menos vende primeiro) e seqüência cronológica de entrada, incluindo as ofertas STOP eventualmente disparadas e atendidas.

Ofertas que estejam com preço de compra maior ou igual ao preço teórico e ofertas com preço de venda menor ou igual ao preço teórico não podem ser canceladas e nem terem suas quantidades diminuídas, sendo aceito somente alteração para melhor para estas ofertas (melhorar o preço ou aumentar a quantidade).
Ofertas de compra com preço maior que o preço teórico e ofertas de venda com preço menor que o preço teórico serão atendidas em sua totalidade.

Ofertas de compra e venda com preços iguais ao preço teórico poderão ser atendidas totalmente, parcialmente ou não serem atendidas de acordo com a situação do leilão.
O preço do ativo (cotação) é o valor do último negócio realizado com esse ativo durante o pregão atual.
O volume total negociado de um ativo é a quantidade total desse ativo negociado durante o pregão atual.

2.1. Cotação Intraday
Exemplo:
BBAS3: 30/08/2017
  Horário Var Var (%) Última Máximo Mínimo Abertura Volume
baixa 14:53 -0,20 -0,64 31,29 31,68 31,20 31,51 3.619.700


Data / Hora Cotação Variação Variação (%) Máximo Mínimo Volume
9
30/08/2017 14:53 31,29
-0,20 -0,64 31,68 31,20 3.619.700
8
30/08/2017 14:52 31,27 -0,22 -0,70 31,68 31,20 3.615.000
7
30/08/2017 14:51 31,27 -0,22 -0,70 31,68 31,20 3.614.200
6
30/08/2017 14:50 31,28 -0,21 -0,67 31,68 31,20 3.611.500
5
30/08/2017 14:49 31,27 -0,22 -0,70 31,68 31,20 3.607.700
4
30/08/2017 14:48 31,27 -0,22 -0,70 31,68 31,20 3.606.100
3
30/08/2017 14:47 31,27 -0,22 -0,70 31,68 31,20 3.604.400
2
30/08/2017 14:46 31,28 -0,21 -0,67 31,68 31,20 3.602.000
1
30/08/2017 14:45 31,27 -0,22 -0,70 31,68 31,20 3.600.800
Última negociação = Cotação
O cálculo das cotações começa com base na cotação de fechamento do dia anterior, a última negociação é a cotação atual, a diferença entre a última cotação e a cotação de fechamento do dia anterior é a variação no dia.
C o: preço inicial é a cotação de fechamento do dia anterior (não aparece na tabela), não confundir com cotação de abertura que é a primeira cotação do dia atual.
C n:  cotação qualquer
C n = C o + V n
Repare que:
C n - C n-1 = V n - V n-1
 

Vn: variação intraday da cotação inicial Co, é um tipo de variação acumulativa contada apartir da primeira cotação. Indica o quanto aumentou ou diminuiu desde o início do dia, ou seja, durante todo o pregão.

Para a linha (1)
Cotação = C o - 0,22
31,27 = C o - 0,22 => C o = 31,49

Para a linha (2)
Cotação = C o - 0,21
31,28 = C o - 0,21 => C o = 31,49

Para a linha (9)
Cotação = C o - 0,20
31,29 = C o - 0,20 => C o = 31,49

(+) Variação > 0 => Cotação - Variação = 100%
(-) Variação < 0 => Cotação + Variação = 100%
Cotação - Variação = C o => 100%
14:53 => 31,29 + 0,20  => C o = 31,49 (100%)
14:52 => 31,27 + 0,22  => C o =  31,49 (100%)
14:50 => 31,28 + 0,21  => C o =  31,49 (100%)
...
Obs: a cotação inicial é igual a 31,49 que é diferente do preço de abertura.

Data/hora: exato momento em que a cotação foi registrada. Os número de uma cotação da bolsa de valores muda a cada segundo, por isso é fundamental saber a data/hora a qual se refere as tabelas de cotação das ações.
Anterior: é o valor de fechamento da ação no período anterior. Em tabelas de cotação das ações diária, este valor se refere ao preço que a ação foi negociada pela última vez no pregão anterior.
Abertura: em uma cotação diária, por exemplo, este é o valor negociado na primeira operação do dia, portanto já consta uma variação.
Último (cotação): é o valor negociado na última operação de compra/venda da ação. Em um ativo com baixa volatilidade, este valor seria o mais próximo que você conseguiria comprar ou vender ações do ativo na data/hora da cotação.
Mínimo: é o valor mínimo que a ação foi negociada no período. Em uma tabela diária de cotação das ações da bolsa, este número registra o menor preço que um negócio foi fechado no dia.
Máximo: similar ao mínimo do período, porém registra o valor máximo que ação foi negociada no período.
Médio: preço médio negociado no período, ponderado pelo número de ações negociadas.
Variação: é a variação percentual do preço atual (último) da ação desde o início do pregão. Algumas tabelas de cotação de  ações mostram este campo (às vezes com o nome de “oscilação”) em valores absolutos, isto é, como a diferença em dinheiro entre o preço atual e o de preço de abertura. Normalmente, variações percentuais são normalmente (mas nem sempre) seguidas do sinal "%", portanto sempre certifique-se de estar interpretando este campo corretamente.
Negócios: quantas operações de compra/venda foram executadas no período. Por exemplo, se você comprar 100 ações de uma ação, sua operação será contabilizada como mais um negócio na tabela de cotação da bolsa de valores.
Tïtulos: quantos títulos (ações) foram negociados no período. Uma compra de 100 ações aumenta este número em 100.
Volume: valor total, em dinheiro, negociado no período. Ou seja, este número é a soma de todos os valores pagos por compradores (e recebido por vendedores) no período da cotação. Em algumas tabelas de cotações de ações, o campo Volume contém, o número de títulos negociados, normalmente, o montante total negociado é chamado de Volume financeiro ou similar. Portanto, certifique-se de estar interpretando este campo corretamente.

O risco de liquidez está presente quando um investidor compra ações com pouco volume de negociação. Nesses casos, podem existir diferenças significativas entre as ofertas de compra e venda no pregão e isso pode fazer com que o vendedor tenha que vender por um preço um pouco abaixo do mercado.

2.2. Os Tipos de Ofertas aceitos para apregoação (corretora) nos sistemas de negociação da Bolsa são:
a) Oferta Limitada - é uma oferta de compra ou venda que deve ser executada por um preço limitado, especificado pelo cliente, ou a um preço melhor. Significa, em caso de oferta de compra, que a sua execução não poderá se dar a um preço maior que o limite estabelecido. A oferta de venda, por sua vez, não deve ser executada a um preço menor que o limitado.
Não confundir melhor oferta ou melhor preço de compra/venda com preço melhor. O preço melhor é o maior preço de venda para quem vende e menor preço de compra para quem compra (o mais vantajoso). E a melhor oferta tem o menor preço de venda para quem vende e maior preço de compra para quem compra (facilita o negócio). A melhor oferta fica na primeira linha do livro de ofertas.

b) Oferta ao Preço de Abertura - é uma oferta de compra ou venda que deve ser executada ao preço de abertura do leilão ou das fases de Pré-abertura e Pré-fechamento.

c) Oferta a Mercado - é uma oferta que é executada ao melhor limite de preço oposto no mercado quando ela é registrada.

d) Oferta Stop - Preço de Disparo - é uma oferta baseada em um determinado preço de disparo; neste preço e acima para uma oferta de compra e neste preço e abaixo para uma oferta de venda. A oferta a limite Stop se torna uma oferta limitada assim que o preço de disparo é alcançado.

e) Oferta a Qualquer Preço - é uma oferta que deve ser totalmente executada independentemente do preço de execução (não tem preço limite). Este tipo de oferta somente está disponível para a fase contínua de negociação.

f) Oferta de Direto - é o registro simultâneo de duas ofertas que se cruzam, e que são registradas pela mesma corretora.

2.3. Tipos de Ordens
As condições que podem ser escolhidas pelos clientes, para a execução de suas ordens, devem estar enquadradas em um ou mais dos seguintes Tipos de Ordens :

- Ordem Limitada
É uma odem de compra ou venda que deve ser executada por um preço limitado, especificado pelo cliente, ou a um preço melhor. Significa, em caso de oferta de compra, que a sua execução não poderá se dar a um preço maior que o limite estabelecido. A oferta de venda, por sua vez, não deve ser executada a um preço menor que o limitado.
Na Ordem Limitada o investidor delimita o limite de preço para que a ordem seja executada. São prontamente enviadas para a bolsa e ficam na fila, aguardando a execução. Esta ordem permite total controle do preço de execução, o sistema rejeitará ofertas de compra a preço superior ao limite e ofertas de venda a preço inferior ao limite:
Não é garantido que seja executada. O ativo pode não atingir o limite estabelecido ou ainda que o atinja, poderão existir ordens de outros investidores ao mesmo preço limite, colocadas antes da sua.
A ordem é executada por preço melhor ou igual ao preço definido. Se o investidor colocar uma ordem de compra limitada a R$ 10,00 e existir vendedor a R$ 8,00, a ordem será executada a R$ 8,00 e não a R$ 10,00. Na venda, o conceito é o mesmo. Se você colocar venda a R$ 9,00 e tiver comprador a R$ 11,00, sua ordem de venda será executada a R$ 11,00.

- Ordem a Mercado
É aquela que especifica somente a quantidade e as características dos Ativos ou direitos a serem comprados ou vendidos, devendo ser executada a partir do momento em que for recebida;

- Ordem Stop
É um tipo de ordem enviada à bolsa somente quando a cotação do papel atingir ou passar pelo valor stop. Além do valor de preço o stop serve de gatilho para compra com preço acima do stop e venda com preço abaixo do stop. O stop pode estar associado a um preço de venda ou compra de algum tipo (preço definido ou preço limite).

- Ordem Stop Limitada
O preço stop de compra é conjugado com um preço limite, o stop de compra irá dispara a ordem de compra quando o preço do ativo atingir o seu valor e realizará a proposta de compra a partir desse valor até o preço definido pelo limite de compra.
O preço stop de venda é conjugado com um preço limite, o stop de venda irá dispara a ordem de venda quando o preço do ativo atingir seu valor e realizará a proposta de venda a partir desse valor até o preço definido pelo limite de venda.

Possui o mesmo conceito da ordem stop, contudo, além do valor stop, o investidor deverá definir o preço limite. Comparando com a ordem Stop, esta ordem dá mais chances de realizar o negócio, imediatamente após o disparo do stop.


Após disparado uma ordem e efetuar a operação, o negócio pode ser realizado ou não, dependerá do volume de compra e venda e seus preços.
Após a realização de uma ordem stop o preço pode oscilar e cancelar o stop para as próximas operações se ficar fora da faixa configurada.
↑Stop de compra: direciona o preços de compra para acima do stop ↑↑↑
↓Stop de venda : direciona o preços de venda para baixo do stop ↓↓↓
Limite para compra:  faixa de preço de compra delimitado pelo preço limite de compra e o stop de compra.
Limite para venda:  faixa de preço de venda delimitado pelo preço limite de venda e o stop de venda.
stop = preço + gatilho
limite = faixa de preço

- Ordem Stop Simultâneo
(venda com alta ou baixa de preço)
O raciocínio é o mesmo da ordem stop limitada, a diferença é que as duas opções são para venda.
Quando o valor da ação chega no seu limite mínimo (prejuízo) ou máximo (ganho), o home broker emite uma ordem automática de venda. Significa que o ativo será vendido pelo maior preço disponível naquele momento e sua posição será encerrada, ou seja, será executada a ordem de venda com prejuízo limitado ou com ganho.
Possui dois gatinho para disparar uma ordem, quanta a cotação da ação atingir o preço estipulado no Stop gain ou no Stop loss  é disparado a operação de venda.
Stop gain: é um preço de disparo ou gatilho para a venda, nesse caso é preciso configurar o preço limite que será uma faixa de preço para a venda, nesse caso a faixa de preço estará acima do preço de compra, porque nessa configuração a venda é com lucro.
Stop loss: é um preço de disparo ou gatilho para a venda, nesse caso é preciso configurar o preço limite que será uma faixa de preço para a venda, nesse caso a faixa de preço estará abaixo do preço de compra, porque nessa configuração a venda é com prejuízo, isso é feita para evitar prejuízo ainda maior.

- Ordem Stop Simultâneo Móvel
Verifique se no seu home broker tem essa opção e se é feita quando faz a compra do ativo.
Sua configuração possui além das configurações da Ordem Stop Simultâneo, mais a configuração do preço dinâmico, lembre-se que as nomeclaturas podem variar de um home broke para outro, entenda o raciocínio. A intenção da Ordem Stop Simultâneo Móvel é que os preços da configuração da Ordem Stop Simultâneo para compra ou venda sejam ajustados  automaticamente com a variação de preço da ação para cima (comprado) ou para baixo (vendido).
O stop loss limita o prejuízo e o ajuste maximiza o ganho deslocando o stop loss e o preço limite para cima (estando comprado) quando o preço da ação subir ou deslocando o stop loss e o preço limite para baixo (estando vendido) quando o preço da ação cair
.
Comprado: ganha com a alta dos preço.
Vendido: ganha com a baixa dos preço.

Ajuste é o valor que deseja ajustar em cada campo. Esse valor é definido por você e de acordo com sua estratégia. No caso de compras será subtraído e no caso de vendas será somado.
Assim, o stop loss ficaria cada vez mais alto, maximizando os ganhos. Nesse processo, você precisaria fazer isso manualmente. Com o stop móvel é possível fazer isso automaticamente. À medida que o ativo em que você investiu subir o stop também sobe.

Variáveis para configurar:
- Preço de disparo: é o preço que dispara o stop loss.
- Preço limite:  é o preço limite de perda.
- Preço de início da função móvel: é o preço que dipara o ajuste caso o preço subir para quem estiver comprado (ganha com a alta) e dispara o ajuste quando o preço descer para quem estiver vendido (ganha com a queda)
- Ajuste dos preços: é o valor a ser ajustado com a alta dos preços para a operação de venda e baixa dos preço para a operação de compra.
Exemplo:
Caso o preço atual seja R$ 50 e caia para  R$ 49,50, a ação será vendida a um preço limite de R$ 49,40. Caso a ação chegue a R$ 50,10, o stop loss será ajustado para R$ 49,60 e o valor mínimo para R$ 49,50. Se a ação subir mais R$ 0,10 (dez centavos), o ajuste dos preços será novamente feito, automaticamente com o valor do ajuste.

A figura abaixo mostra um esquema para o exemplo acima de top móvel para quem já comprou um ativo e venderá somente quando os preços caírem:


w: é o valor que deverá ser subtraído da cotação atual para disparar o stop loss.
z: é o valor que deverá ser somado a cotação atual para dispara o ajuste (z=x para o exemplo, pode  ser diferente).
x: é o ajuste.
Repare que para o primeiro ajuste ser acionado a cotação atual teve que ser aumentar em z, para os demais ajuste o aumento da nova cotação é igual ao próprio ajuste.
z+w-x: é o valor que a nova cotação deverá cair para acionar o novo stop loss. Esse valor se tornará constante depois que ocorrer o primeiro ajuste, pois, para o próximo ajuste, todos as variáveis serão somadas em x.

A figura abaixo está mais fácil de entender, usar sempre a menor cotação de disparo do ajuste e o menor juste possível para garantir o mínimo de ganho, verifique esta possibilidade no home broker.


Para opera o stop móvel vendido muda apenas o sentido, o raciocínio é o mesmo, o stop móvel é posicionado para fazer a saída se a cotação aumentar até o preço limite. O ajuste é feito para a queda dos preços, quando mais barato o ativo melhor para comprar.


w: é o valor que deverá ser somado da cotação atual para disparar o stop loss.
z: é o valor que deverá ser subtraído da cotação atual para dispara o ajuste (z poder ser igual a x).
x: é o ajuste.
Repare que para o primeiro ajuste ser acionado a cotação atual teve que ser diminuida em z, para os demais ajustes a diminuição da nova cotação é igual ao próprio ajuste.
z+w-x: é o valor que a nova cotação deverá subir para acionar o novo stop loss. Esse valor se tornará constante depois que ocorrer o primeiro ajuste, pois, para o próximo ajuste, todos as variávei serão subtraídas em x.

A figura abaixo está mais fácil de entender, usar sempre a menor cotação de disparo do ajuste e o menor juste possível para garantir o mínimo de ganho. Neste caso foi utilizado o valor do ajuste para subtrair da cotação atual para obter a cotação de disparo do ajuste, é preciso testar o home broker para saber as configurações possíveis. Cada vez que a cotação cai em x, o ajuste é feito.

- Start: a  ordem de compra  é disparada, assim que o ativo atingir  o preço pré-determinado.
Deve se atentar para o nome dos termos usado pelo home broker que pode variar conforme as funcionalidade disponíveis, a figura abaixo mostra duas possibilidades de configuração para a compra e duas possibilidades de configuração para a venda, apenas uma será executada porque uma exclui a outra.  Vende-se com o preço subindo ou caindo (um exclui o outro). Compra-se com o preço subindo ou caindo (um exclui o outro)



2.4. Passos
Primeiro Passo: conhecer o Home Broker e suas funcionalidades
- Possui compra/venda a mercado?
- Possui stop simultâneo?
- Possui stop móvel ou variação de preço?
- Consultou o manual?
- Estudou o suficiente?
- SABE OPERAR COMPRADO E VENDIDO.

Segundo Passo: definir a sua estratégia, se quer fazer a operação o mais rápido possível ou uma operação programada que será executada após satisfeitas algumas condições mais específicas, tudo isso dependerá das funcionalidades do Home Broker escolhido:
- Escolher o indicar de preço a ser usado, é aquele que te fornece resultados positivos conforme testes anteriores.
- Está contando com a alta ou com a baixa dos preços?
- Conhece o comportamento do ativo escolhido atualmente e nos dias anteriores (spread, volatilidade, máximo, mínimo, está caro, está barato), como está o índice bovespa por setores (ciclo de alta, baixa?), houveram grandes quedas ou grandes altas, está acompanhando os noticiários, pertence a quantas carteiras de banco ou corretoras (quanto valorizou após a indicação), etc.
- O ativo escolhido tem liquidez?
- Qual o tempo de investimento? Compra e venda no mesmo dia? Apenas comprar?
- É necessário fazer a venda ou a compra imediatamente?
- Quero vender para comprar outro tipo de ativo, posso esperar a melhor oferta?
- Quero programar a compra ou a venda e limitar o lucro ou limitar o prejuízo?
- Devo esperar uma oportunidade de compra/venda ou a oportunidade é agora (o mercado está forte).
- Após a escolha do ativo, vai operar comprado ou vendido.
- Exemplo: PETR3 e VALE3, muitas vezes não acompanham o ibovespa, no dia anterior (noite) deve ser verificado em outras Bolsas como a da China, etc.

Terceiro Passo: fazer a análise gráfica e verificar:
- A volatilidade: qual a volatilidade da ação, se no dia da operação a volatilidade está alterada?
- Ocilação de preços: faixa de preços naquele pregão?
- Tendência: é de alta ou queda?
- Analisar o book de ofertas:
- O preço está subindo? Qual a velocidade?
- O preço está caindo? Qual a velocidade?
- O preço esta oscilando?
- Há tempo suficiente para fazer a operação nesse dia?
- A quanto tempo estou acompanhando o mercado? É o suficiente?
- Já testou a estratégia (stops, margem de risco, etc).

Quarto Passo
- Após a prática constante as tarefas se tornam mais fáceis e o tempo de operação e tomada de decisão ficam automatizadas.
- Há ativos que são mais fáceis de conhecer e operar como os financeiros devido a liquidez e ciclos de alta e baixa (BBAS3, BBDC3, ITUB3, etc).
- Anote sua estratégia bem como os erros da operação, reavalie a estratégia, qual a opção de saída (stop?).
- Quando estiver aprendendo a operar não faça nada correndo, check suas ordens antes de enviar, não faça nada com dúvida, toda dúvida de operacionalização deve ser esclarecida nos simulados. Tenha uma manual com as notações e configurações dos stops, etc.

2.5. Esquema Lógico
Fiz um esquema hipotético, mas cada aplicativo usa termos e disposições diferentes como caixa de texto, labeis ou títulos para campos, botões com opções, janelas, meus, abas, etc. O importante é entender a lógica do home broker ou da plataforma de negociação.
Ordem de Compra com Preço Limite
Quantidade:                   Preço Limite:                 
Preço limite é o preço máximo que o investidor está disposto a pagar por uma só ação, a compra pode ser feita com preço abaixo desse valor desde que haja oferta de venda. A compra é feita com o preço limite ou melhor.


Obs:
Para venda: para conseguir vender com mais probabilidade o preço limite pode estar um pouco abaixo do preço de cotação atual. Pode também colocar o preço limite acima do preço atual, porém, somente aparecerá oferta quando a cotação da ação chegar a esse valor. Para garantir uma compra o preço limite fica acima da cotação atual, para garantir a venda o preço limite fica abaixo. Nesse caso estou considerando que ao vender as ações, o investidor não tem mais interesse na sua valorização ou desvalorização. Nada impede que se configure a venda com o preço limite acima da cotação atual, isso pode ser feito quando os preços estão com tendência de alta.


 
Ordem de Compra com Stop e Preço Limite

Quantidade:                 

Preço Stop:                    Preço Limite:                    
Quando a cotação chegar no preço stop é disparado a ordem de compra, com esse valor.
O preço limite pode ser a mercado que é o preço no momento, pode também configurar um preço específico, depende das opções presentes no home broker.



Obs: Venda
A figura abaixo mostra o esquema da venda utilizando raciocínio inverso da compra.

Obs: é preciso testar o home broker ou plataforma para verificar as possibilidades de configuração disponíveis.

Ordem de Venda com Stop Simultâneo
Duas ordens com uma operação apenas, está opção não tem preço de compra.

Quantidade Preço Gain
              
              
Preço Stop Loss Preço Limite Loss
                               
Preço Gain é o preço de venda que está acima do valor da cotação.
Preço Stop Loss é o preço que dispara a venda após a compra, quando a cotação começa a cair e gerar prejuízo, para evitar um prejuízo maior é feito a venda.
Preço Limite Loss é o preço mínimo de venda, caso a cotação atinja o preço Stop Loss.



Ordem de compra com Preço Limite, com Stop Loss e com Stop Gain
Quantidade Preço Limite
              
                
Stop Loss Limite Loss
                                
Preço Gain
                       
Preço Limite: é o preço máximo que o investidor está disposto a pagar por uma só ação, a compra pode ser feita com preço abaixo desse valor desde que haja oferta de venda.
Preço Stop Loss: é o preço que dispara a venda após a compra, quando a cotação começa a cair e gerar prejuízo, para evitar um um prejuízo maior é feito a venda.
Preço Limite Loss: é o preço de venda, caso a cotação atinja o preço Stop Loss, pode ser a mercado ou outro valor.
Preço Gain: é o preço de venda que está acima do valor da cotação e do preço limite de compra.


Obs:
- Verifique se o  home broker tem a opção stop movel, preço dinâmico ou outro termo parecido, com isso o ajuste fica automático.
- Conheça as funcionalidades disponíveis antes de operar, perceba na figura acima que o preço gain só poderia estar acima do preço limite, pois abaixo do preço limite não tem sentido.

Ordem de Compra com Stop, Stop Loss e Stop Gain (simultânea)
Quantidade Preço Stop
              
                
Stop Loss Limite Loss
                                
Preço Gain
                       
Preço Stop: é o preço de compra, nesse caso vai dispara a compra apartir  desse valor.
Stop Loss: é o preço que dispara a venda após a compra, quando a cotação começa a cair e gerar prejuízo, para evitar um um prejuízo maior é feito a venda.
Preço Limite Loss:  é o preço limite de venda, caso a cotação atinja o preço Stop Loss.




3. Tipos de Ordens

Nos casos de ordem start/stop deverá ser informado também:
a) ordem de compra start: preço de disparo e preço limite
A ordem de compra start é aquela em que a ordem de compra será enviada à Bolsa quando a cotação do papel atingir ou ultrapassar o preço de disparo pré- determinado pelo investidor. Após atingir o preço start, a ordem será enviada com o preço de limite que também foi pré-determinado pelo investidor.

b) ordem de compra com stop programado: valor da compra, preço de disparo e preço limite
Ordem de compra com Stop Programado é aquela em que a ordem de compra limitada é conjugada com uma ordem Stop, com parâmetros previamente estabelecidos com base nas respostas do questionário de Análise de Perfil do Investidor (API) realizado pelo cliente, com a possibilidade de alteração destes parâmetros em área específica do Home Broker BB.
c) ordem de venda stop: preço de disparo e preço limite
Ordem de venda stop é aquela em que a ordem de venda será enviada à Bolsa quando a cotação do papel for igual ou menor ao preço de disparo definido pelo investidor. Pode ser utilizada como mecanismo de proteção para o investidor.

d) ordem de venda stop simultâneo: valor preço disparo (ganho), valor preço disparo (perda), valor preço limite (ganho), valor preço limite (perda) :
Ordem de venda stop simultâneo é aquela cujo preço de disparo é definido por dois parâmetros diferentes. Neste caso, a ordem pode limitar um prejuízo ou um ganho. A ordem de venda é enviada à bolsa quando um dos parâmetros de disparo á atingido.
e) ordem de venda stop móvel: valor preço disparo, valor preço limite, valor preço início stop móvel e valor do ajuste inicial:
Ordem de venda stop móvel é aquela que acompanha uma possível alta do mercado ajustando o "preço limite" e o "preço de disparo"para cima conforme determinação do investidor. Ao registrar a ordem stop móvel, o cliente deve preencher quatro campos de valores: "preço de disparo", "preço limite", "preço início stop móvel (preço "gatilho”, sempre acima do mercado, que iniciará o processo de mobilidade dos "preços de disparo" e "preço limite") e ajuste inicial (acréscimo sobre o valor do "preço limite" e do "preço de disparo" quando o "preço início stop móvel" for atingido).

Anotações:
- Solicitação de Start é uma ferramenta que permite programar uma compra de ações. A  ordem de compra  é disparada, assim que o ativo atingir  o preço pré-determinado pelo cliente.  Após “disparada”,  a solicitação tem o mesmo tratamento de uma ordem de compra convencional.
- Solicitação Stop é uma ferramenta que permite programar o registro de uma solicitação de venda de ações. É usada como proteção para o investidor. A ordem venda é enviada à Bolsa quando o preço da ação atingir os parâmetros do preço de disparo determinado pelo investidor. Após o disparo,  a solicitação  tem o mesmo tratamento de uma ordem de venda convencional.
Não é possível incluir solicitações start e stop por meio do celular. Ambas estão disponíveis nas agências BB e no home broker.
- Preço de disparo: é fixado pelo investidor como o preço a partir do qual a solicitação de compra ou venda será enviada para a bolsa, ou seja, se o preço definido pelo investidor como disparo for atingido no mercado, a ordem de compra ou venda é incluída no mercado, podendo ser negociada ou não.
- Preço Limite: é fixado pelo investidor como o preço ao qual está disposto a negociar o ativo. No caso de compra é o preço máximo ao qual se dispõe a adquirir uma ação. No caso de venda é o preço mínimo pelo qual deseja se desfazer da ação.
No Home Broker o limite máximo por solicitação é de R$ 100.000,00. O limite mínimo por solicitação de compra start é de R$ 100,00 e o limite mínimo por solicitação de venda stop é de R$ 3,00.

4. Prazo para Liquidação


Com raras exceções, o fluxo financeiro da operação, ou seja, o pagamento em caso de compra ou recebimento de recurso em caso de venda, ocorre sempre após três dias úteis.
Liquidação significa, em poucas palavras, o dinheiro na conta corrente, ou seja, o tempo em que após a venda da ação é possível fazer uma compra com esse dinheiro.

O fluxo de liquidação da Bovespa se baseia no conceito de dia úteis, representandos pela letra D.
Em D+0 é o dia que ocorre a operação, ou seja, a data quando efetivamente ocorre a transação.
Em D+1 é a data limite para que as corretoras especifiquem as operrações executadas junto à bolsa.
Em D+2 ocorre a entrega e bloqueio dos títulos para liquidação física da operação, caso ainda não estejam na custódia (CBLC).
Em D+3, ocorre a liquidação física e financeira da operação, de forma que o investidor volta a participar diretamente, recebendo ou pagando pela operação.

Mercado
Tipo de Operação
Dia da Liquidação
Ação
À vista
D+3
À terno
D+n - dia do vencimento
Futuro
D+3 do dia do vencimento
Opções 1 e Futuro 2 D+1
Título de Renda Fixa
À vista D+0 3
Privada
          -----------------
D+1

1Liquidação dos prêmios negociados.
2Liquidação dos valores referentes ao ajuste diário de posições.
3Para ser liquidada em D+ 0 a operação deve ser especificada até às 13h.

Exemplo para a liquidação de operações no mercado à vista de ações:
Liquidação em D+3 significa que o negócio será liquidado três dias úteis após a data da operação. Ou seja, se um investidor efetuou uma compra numa segunda-feira dia 05, então, esse negócio será liquidado três dias úteis após o dia da operação, nesse caso, quinta-feira dia 08. D+0 é sempre o dia da operação.

Anotações:
No day trade como não há troca efetiva de custódia, apenas a rentabilidade do dia,  a diferença positiva (lucro) ou negativa (prejuízo) da operação, fica para D+3.

5. Análise Técnica

A análise técnica ou análise gráfica, de maneira resumida, é uma técnica que utiliza gráficos (tempo x preços) como ferramenta principal para determinar o melhor momento para comprar e vender ativos.
Em complemento a utilização de gráficos, a análise técnica inclui também uma série de teorias sobre como acontecem os movimentos do mercado.

- Não confundir tendência que necessita de pelo mesmo dois períodos com variação de preços entre esses dois períodos.
- Não confundir variação de preço no gráfico cantlestick cuja variação é entre o preço de abertura e o fechamento com a variação de preço entre dois períodos que é feito entre os preços de fechamento.
- A verdadeira tendência é calculada de forma matemática e mão empiricamente como é feito de costume na análise técnica.


A tendência é formada de acordo com o período do gráfico (1 minuto, 15 minutos, etc), que pode variar de acordo com o período, gráfico com período de 1 minuto pode ter tendência de alta, e com período de 15 minutos pode ter tendência de baixa.

O pivot será apresentado no item 16 mais a frente, a reversão de tendência mostra o pivot de baixa (resistência) e o pivot de alta (suporte), são pontos do gráfico que mostram a reversão de tendência.




A figura abaixo mostra que mesmo com variação negativa a linha de tendência pode ser de alta, isso ocorre porque a tendência de alta ou baixa dos preços é uma reta média, ou seja, não depende exclusivamente de dois pontos (abertua e fechamento ou máxima e mínima), mas sim de todos os pontos (preços) no seu período.
 

Nos gráficos abaixo percebe-se que o volume está mais próximo do máximo.


O tamanho da barra (distância entre o máximo e o mínimo) nos oferece alguns dados, mostrando um pouco sobre como foi a batalha entre compradores e vendedores. Uma barra pequena ou média, normalmente, demonstra um mercado calmo, sem grandes conflitos. Mas, o que é uma barra pequena? Que tamanho é uma barra média? Isso depende do mercado/ativo, o que se faz é analisar o tamanho da barra em relação ao tamanho médio das outras barras do gráfico, se, por exemplo, for metade do tamanho da maioria, com certeza estamos falando de uma barra pequena.

O mesmo raciocínio é válido para identificar barras grandes, a interpretação, entretanto, é completamente oposta. Barras grandes normalmente são um sinal de mercado volátil, com os preços variando fortemente durante o dia. Em pregões desse tipo, surgem várias oportunidades de negócios (e algumas armadilhas também).

Este tipo de gráfico não mostra a sequência de eventos que ocorreram durante o período, limitando-se somente aos quatro valores explicados anteriormente. A oscilação de preço no período não é mostrada.



Um candlestick muito comprido, por exemplo, indica que houve muita movimentação de preços. Um candlestick mais achatado indica que houve pouca variação entre o preço de abertura e o de fechamento.

Estas formas dão origem aos chamados padrões de candlesticks que são interpretados pelos investidores como indicadores de comportamento, como reversão de tendência ou como indicação de suporte ou resistência.

5.1. Periodicidade dos Gráficos
Os gráficos podem ter diferentes periodicidades, ou seja, não precisam, necessariamente, representar 1 dia de pregão. Os gráficos em nível de período mais comuns são:
Diário: Representando 1 pregão.
Semanal: Uma barra ou candle representando todos os pregões da semana.
Mensal: Uma barra ou candle representando todos os pregões do mês.
Anual: Uma barra ou candle por ano.
Uma outra classe, são os que mostram o que aconteceu durante a sessão, são os gráficos intraday (também chamados intradia). Em um gráfico intraday o intervalo utilizado corresponde, normalmente, a alguns minutos. Os mais comuns: 1, 5, 15, 30 e 60 minutos.
A maneira como o símbolo é desenhado é exatamente a mesma que no caso de uma barra ou candle de 1 pregão. Vamos pegar como exemplo um gráfico semanal, cada semana será representada por um único símbolo, assim, o valor de mínimo será o menor entre todos os preços praticados na semana, enquanto que o valor máximo será o maior preço negociado no mesmo período. A abertura, nesse caso, será a abertura do primeiro dia de pregão da semana (segunda-feira em nosso exemplo) e o fechamento o valor de encerramento da sexta-feira.
O mesmo ocorre para os gráficos intraday. Em um gráfico de 15 minutos o primeiro e último minuto do intervalo (digamos entre 15:01 e 15:15) são a abertura e o fechamento, enquanto que o máximo/mínimo entre os minutos desse intervalo será o máximo/mínimo do símbolo.

Um ponto importante é que as técnicas de análises são válidas em qualquer tempo gráfico. As teorias são sempre válidas quando a formação do preço é livre (oferta x demanda), o que acontece algumas vezes é que certas técnicas se adaptam melhor a determinados períodos que outras.

5.2. A Teoria de Dow
As origens da análise técnica moderna estão nos trabalhos de Charles Dow no início do século XX. Dow junto com Edward D. Jones publicava um informativo financeiro que mais tarde seria o "The Wall Street Journal". Através do jornal, Dow apresentava suas observações sobre o comportamento do mercado. O conjunto desses textos seria posteriormente reunido, gerando o que pode ser considerado o início da análise técnica: a teoria de Dow.
A teoria de Dow é uma das principais bases da análise gráfica. A teoria é composta por alguns princípios básicos que estudaremos a seguir.
10.3.1. Princípio 1: Os Índices Descontam Tudo
Os índices (ex: Dow Jones e o Ibovespa) representam a ação conjunta de inúmeros investidores, desde os mais bem informados (que contam com as melhores informações e previsões) até os muito inexperientes. As variações diárias dos preços de um índice, portanto, já têm incluídas (descontadas) no seu valor os eventos que irão acontecer e que são desconhecidos pela maioria dos investidores.
Dessa forma, todo o fator que afeta a relação de oferta/demanda está refletida no preço do mercado. Entretanto, existem os eventos que são imprevisíveis e que as pessoas não têm como saber, como calamidades naturais, catástrofes, etc. Esses são os chamados "atos divinos" , quando acontecem podem gerar fortes oscilações iniciais, mas acabam sendo absorvidos pelo mercado.
Resumo do Princípio:
Todo o fator que afeta a oferta x demanda está refletido no índice.
O Índice já possui em seu valor (já descontou) eventos futuros que a imensa maioria não conhece.
Acontecimentos completamente inesperados são rapidamente avaliados e seus possíveis efeitos absorvidos.

5.3. Princípio 2: As Três Tendências do Mercado
O segundo princípio de Dow afirma que o mercado possui três tendências de movimento: primária, secundária e terciária.
A tendência primária é a tendência principal de um mercado. É um movimento longo que pode ser de alta ou de baixa e que leva a uma grande valorização ou desvalorização dos ativos. Não existem regras matemáticas exatas para definir o tempo de duração das tendências, entretanto, as tendências primárias duram aproximadamente de 1 a 2 anos. Na figura abaixo, as linhas verticais estão fazendo uma separação entre três tendências primárias no índice Bovespa.


Uma tendência primária não se movimenta em linha reta. Ao observarmos o mercado (como no gráfico acima) percebermos que o movimento acontece como um ziguezague. Em um mercado de alta, após um impulso para cima que forma um novo topo (mais alto que o anterior), temos uma correção que forma um novo fundo (também mais alto que o fundo anterior). Em uma tendência de baixa o oposto acontece, após uma queda que forma um fundo mais baixo, acontece uma reação que cria um topo mais baixo. O conjunto desses impulsos e correções dentro de uma tendência primária são as chamadas tendências secundárias. Uma tendência secundária dura de 3 semanas a alguns meses e pode corrigir até dois terços da tendência primária que ela faz parte.
As tendências terciárias fazem parte das secundárias. São movimentos menores de, em média, até 3 semanas. Elas se comportam em relação às tendências secundárias da mesma maneira que as secundárias em relação às primárias.
Quando estamos analisando o mercado é interessante classificar as tendências do movimento atual, assim, podemos avaliar melhor as ações a serem tomadas dentro de nossa estratégia operacional.


5.4. Princípio 3
: As Três Fases dos Movimentos
Dow fez uma série de observações sobre os movimentos de preços, tanto de alta como de baixa, caracterizando aspectos psicológicos marcantes de cada fase:
Fases do Mercado de Alta
Fase 1: No início da alta o mercado começa a ser propulsionado por investidores mais qualificados, que percebem logo que novos ventos estão soprando. Enquanto isso, a maioria ainda acredita que o pior ainda está por vir, o que permite aos investidores de elite comprarem papéis muito baratos. As notícias apresentadas pela mídia refletem as expectativas negativas da maioria.
Fase 2: A segunda parte é uma aceleração mais acentuada do movimento. A pressão compradora aumenta bastante.
Fase 3: A terceira fase é marcada por grandes altas. Os participantes do mercado, de maneira geral, estão cada vez mais seguros de seus lucros e os investidores mais bem preparados começam a vender suas posições. A grande massa de investidores está em clima de euforia que se realimenta diariamente nos noticiários. Está aberta a possibilidade para a fase 1 do mercado de baixa.

5.5. Princípio 4: O Princípio da Confirmação
O princípio da confirmação afirma que para uma reversão de tendência ou rompimento de nível de suporte/resistência ser válido, o fato deve ocorrer em dois índices de composições distintas. Assim, um índice confirma o outro, demonstrando que não se trata de uma oscilação temporária do movimento.

Para ilustrar o princípio da confirmação suponha dois índices (1 e 2) de composições diferentes, mas que se comportam de maneira semelhante. O índice 1, durante uma alta, vence a zona de pressão vendedora (a linha de resistência) e parece seguir com força em sua tendência. O índice 2, entretanto, ao chegar pela primeira vez na linha de resistência não consegue o rompimento da mesma forma que 1. Um investidor que analisa o mercado apenas a partir do ponto de vista do índice 1 pode concluir que existem boas oportunidade de compra logo após o rompimento. Contudo, o que acontece é uma retração, pois o mercado não estava tão forte como demonstrou a falha de rompimento por parte de 2.
Essa é a essência do princípio da confirmação. Dois índices são usados para que um pronuncie uma "segunda opinião" sobre o outro, de modo a validar o que está acontecendo ou indicar uma armadilha. No caso brasileiro, esses dois índices poderiam ser, por exemplo, o índice Bovespa e o IBRX.

5.6. Princípio 5
: Volume Deve Confirmar a Tendência
Este princípio é bastante simples, na teoria de Dow o volume está relacionado com as tendências da seguinte maneira:
Tendência de Alta: Em uma tendência principal de alta é esperado que o volume aumente com a valorização dos ativos e diminua nas reações de desvalorização.
Tendência de Baixa: Em uma tendência principal de baixa é esperado que o volume aumente com a desvalorização dos ativos e diminua nas reações de valorização.

5.7. Princípio 6
Sinais de Reversão
Uma tendência irá ocorrer enquanto não houverem sinais de reversão. Ao observar o gráfico de uma ação, é possível perceber por tipos de candles e indicadores, quando o mercado irá permanecer em tendência ou irá mudar. O mercado não vai cair apenas porque atingiu um nível "alto demais" ou subir porque "já caiu demais". Uma das técnicas mais simples utilizadas é a identificação de falhas ao formar um topo mais alto (em uma tendência de alta) ou um fundo mais baixo (em uma tendência de baixa).

5.8. Suportes e Resistências
Suportes e resistências, de maneira simples, são zonas de preços nas quais o movimento atual do mercado tem grandes chances de parar e reverter. Definições:
Suporte: Região na qual o interesse de comprar é grande, superando a pressão vendedora, o movimento de queda tende a parar.
Resistência: Região na qual o interesse de vender é grande, superando a pressão compradora, o movimento altista tende a parar.
Em uma alta, conforme os preços aumentam, os ativos vão ficando naturalmente mais caros e menos compradores vão estar disponíveis a pagar determinado preço. Os vendedores, pelo contrário, vão querer vender como nunca nesses novos valores, aumentando a oferta e contribuindo para o início da desvalorização (queda).
Podemos ver no gráfico abaixo do índice Bovespa que o mercado subia até atingir um nível de preços no qual ele parou (resistência). Depois de encontrar a resistência, o mercado corrigiu caindo um pouco, mas voltou a subir a alcançou a resistência novamente, ponto no qual reverteu para uma tendência de queda maior.

5.9. O Princípio da Inversão
O Princípio da Inversão (também chamado de Princípio da Mudança de Polaridade) pode ser aplicado em suportes, resistências e linhas de tendência. Como o nome sugere, o princípio está relacionado com a inversão de papéis, ou seja, uma resistência passa a funcionar como suporte e vice-versa.
De maneira simples, suponha que determinada região de preços é uma resistência. Se essa região for rompida, ela tende a tornar-se uma zona de maior pressão compradora, ou seja, um suporte. O raciocínio oposto também é válido, se uma região de suporte for perdida, ela poderá passar a ser uma resistência. Analisemos o esquema abaixo:


5.10. Linhas de Tendência
Conforme mostrado anteriormente, o mercado não se movimenta em linha reta, mas com impulsos e correções com a aparência de um ziguezague. As tendências, sejam elas de alta ou de baixa desenvolvem-se de acordo com esses formatos.
O interessante sobre tendências (mesmo as de curta duração) é que a análise técnica fornece ferramentas para identificação de pontos de compra e venda. Para isso traçamos as linhas de tendência.
Acredita o analista gráfico, que uma tendência estabelecida continuará até algum fato relevante a interrompa. É mais fácil então nadar com a corrente do que contra ela (DEBASTIANI, 2008). Todo gráfico apresenta uma das três tendências principais: alta, baixa ou lateral. Em uma tendência de alta cada subida e descida no mercado atingem um valor superior as anteriores, formando uma linha ascendente. Já na tendência de baixa cada subida e descida atingem um valor inferior as anteriores, formando uma linha descendente. Na tendência lateral as subidas e descidas do mercado param aproximadamente na mesma faixa de preços, sem a definição específica de uma linha bem definida (PENTEADO, 2003; ELDER, 2006; ABE, 2009; DOWSLEY, 2009; LEMOS; CARDOSO, 2010). É comum nos EUA as expressões touro, para mercado em alta, e urso, para mercado em baixa. Já que, conforme Penteado (2003, p. 50) “[...] o touro levanta a cabeça (tendência de alta) para dar uma chifrada, para atacar um inimigo, enquanto o urso se abaixa (tendência de baixa) para agarrar, para atacar”.

10.7. Traçando a Linha de Tendência de Alta
Para traçar uma linha de tendência de alta ligamos os pontos inferiores da série de preços em elevação. A linha formada pela união desses fundos tende a ser uma linha de suporte.


10.8. Linha de Tendência de Baixa
Para traçar a linha de tendência de baixa ligamos os pontos superiores do movimento de preços em queda. A linha formada pela união desses topos tende a ser uma linha de resistência.

Uma Tendência pode parecer de alta num gráfico diário e de baixa num gráfico semanal e vice-versa. Os sinais de um mesmo mercado em diferentes periodicidades, freqüentemente se contradizem um ao outro. A lógica é: Se a análise é semanal, o investimento é semanal. Se a análise é diária, o investimento é diário.
Ângulo de Inclinação
É o aspecto mais importante da linha de tendência se estiver inclinada para cima, mostra que os compradores são a força dominante nesse momento e procurará operar do lado mais forte; se estiver inclinada para baixo, mostra que os vendedores são a força dominante e operará com eles.

5.11. Negociando com Linhas de Tendência
Suporte: Determinado nível de preço, onde o mercado considera um preço interessante e há a entrada de força compradora, dando sustentação aos preços, podendo ser oportunidade de compra.
Resistência: Determinado nível de preço onde o mercado considera “caro” e começa a entrar força vendedora, podendo ser uma oportunidade de venda.
Identificar suportes e resistências facilitam na localização de pontos de compra e pontos de venda, porém para se realizar a operação precisa-se definir dois pontos de saída, um de ganho (Stop Gain) outro de prejuízo (Stop Loss).

Veja na figura abaixo como identificar estes pontos. Este tipo de operação, assim como em todas é importante ter disciplina, assim que o suporte ou resistência for rompido, deve-se acionar o stop.

Vejamos na figura acima em que após termos determinado o “suporte” e a “resistência” onde observa-se que o mercado testa seu suporte e logo em seguida temos um ponto de compra com seu objetivo próximo a linha de resistência onde se zeraria a posição e a proteção do lucro desta operação determinado pelo stop gain, caso eu não saia da operação no ponto de venda se a ação continuar a subir.

Para home broker que tem stop loss móvel fica bem mais fácil fazer a operação, configura-se um margem de perda e a venda ocorre apenas quando cair o preço, e o ajuste é feito automaticamente com o aumento dos preços, quando o preço romper a resistência a venda só ocorrerá quando cair o preço:

Como você pode perceber as linhas de tendência oferecem ótimos avisos. Em uma tendência de alta, a linha de suporte formada pode sugerir boas oportunidades de compra. De maneira semelhante, ao se aproximar da linha de resistência esteja preparado para sinais de venda. O Princípio da Inversão também é válido para linhas de tendência.

Outro ponto que temos de abordar é a questão do volume. Em uma tendência de alta o volume normalmente cresce à medida que os preços sobem, afastando-se da linha de tendência e decresce quando retornam a ela, em uma tendência de baixa o volume aumenta à medida que os preços caem, afastando-se da linha de tendência e diminuem quando retornam a ela.

6. Cálculo da Margem de Risco
A probabilidade de ganho tem de ser no mínimo três vezes maior do que a perda.

Dados Importante:
- Linha de tendência
- Qual o embasamento para a aplicação em um ativo?
- Nível de leigo: rentabilidade alta.
- Nível aprimorado: com base na análise fundamentalista o ativo está barato e a política da empresa trará resultado futuro.
- Qual a repetição do comportamento esperado?
- Qual período o comportamento apresenta um padrão?
- Historicamente qual a amplitude de alta e baixa?
- Historicamente qual a freqüência de altas e baixas? Há períodos com regularidades?
- Qual período do ano ocorre as maiores altas e maiores baixas historicamente? Cada ativo tem um peculiaridade, exemplo: aumento das vendas no final de ano.
- Como está o mercado interno e externo? Alguns investidores pode estar migrando de aplicação para outra mais rendável.
- Momento de otimismo e recuperação histórica (JUL17, AGO17 e SET17)
- Momentos de repersução polítiva (MAR17, ABR17 e MAI17): denúncias, prisões, Petrobras, JBS, Temer, Selic,
- Quais são os picos de altas e de baixa para o ativo (em momentos de grande valorização ou desvalorização).

7. O Poder dos Canais
Diversas vezes os preços flutuam dentro de canais, ou seja, concentram-se entre duas linhas de tendência paralelas, uma funcionando como suporte e outra como resistência. Essas linhas podem ser inclinadas ou horizontais conforme ilustrado na figura abaixo:

Uma vantagem dos canais sobre as linhas de tendência é que eles oferecem um ponto de entrada e um ponto de saída (os dois limites do canal). Um canal pode ser:
Horizontal
Ascendente
Descendente

O exemplo a seguir mostra um canal ascendente no índice Bovespa, note que a região inferior gerou bons pontos de compra, enquanto que a linha superior foi um ótimo alvo de preços, servindo como nível de saída (venda).


É importante enfatizar que quanto maior o tempo de duração do canal mais importante ele é, contudo, como todas as formações gráficas uma hora ele será rompido. O canal é uma das técnicas mais simples e importantes que existem, deve ser preferencialmente utilizado em conjunto com outras ferramentas técnicas tornando-se uma arma valiosa em sua estratégia operacional.

8. Padrões - O Mercado Se Repete

Através dos anos os analistas têm realizados diversos estudos sobre os gráficos e suas formações. Dessa forma, foram identificados e classificados padrões que surgem repetidamente ao longo do tempo. A explicação para a existência de padrões está relacionada ao fato de compradores e vendedores agirem de acordo com suas crenças e impulsos, tomando decisões de acordo com o momento. Acontece que no mercado as circunstâncias estão sempre se repetindo, levando as forças de oferta e procura representadas pelos investidores a repetirem suas decisões. Nos próximos capítulos, iremos estudar os seguintes padrões:

8.1. Ombro-Cabeça-Ombro (OCO)

O ombro-cabeça-ombro é um dos mais importantes padrões de reversão de tendência. Vamos utilizar a figura abaixo para analisar sua formação e seus componentes.


O padrão lembra, de fato, os ombros e cabeça de uma pessoa. O mercado forma um primeiro topo (ombro) e retorna a linha base que será chamada de linha de pescoço. Desse ponto, uma alta acontece superando o topo anterior e formando a cabeça, até esse momento o mercado sugere a continuação da alta. Os preços, a partir da cabeça, retornam uma vez mais até a linha de pescoço e voltam a subir, dando origem ao segundo ombro com tamanho muito semelhante ao primeiro. Está formado o OCO.
O volume costuma decrescer conforme o padrão vai sendo construído, elevando-se rapidamente no corte da linha de pescoço.

8.2. Negociando com o OCO
Os OCOs indicam reversão de tendência. O padrão da figura acima, é um OCO de baixa, mas também existem OCOs de alta como na figura abaixo.

Uma das características mais interessantes do padrão cabeça e ombros é o alvo de preços que a formação sugere. Mede-se a altura da cabeça até a linha de pescoço e projeta-se essa mesma altura a partir da linha de pescoço na direção de rompimento. A linha vermelha na figura acima, mostra até onde o OCO sugere que os preços subam.

8.3. Triângulos
Triângulos são classificados como padrões de continuação de tendência, eles se formam quando a flutuação dos preços começa a atingir amplitudes cada vez menores conforme o tempo passa. Existem três tipos básicos de triângulos: ascendentes, descendentes e simétricos.
No começo de sua formação o triângulo está em seu ponto mais largo, á medida que o tempo passa os preços passam a oscilar entre duas linhas: a inferior de suporte e a superior de resistência. Não existe verdade absoluta, mas a tendência é a continuação do movimento atual após o rompimento, em especial no que se refere a triângulos ascendentes e descendentes.
Triângulo Ascendente
O triângulo ascendente possui o lado superior horizontal e o inferior como uma linha ascendente. O rompimento normalmente indica a continuação da tendência. Uma das técnicas para utilizar o triângulo ascendente como instrumento de operação é aguardar pelo rompimento da linha horizontal com alto volume, nessa situação os analistas esperam por uma alta de pelo menos a altura do lado mais largo do triângulo.

Triângulo Descendente
O triângulo descendente é o inverso, tende a ser um sinal de queda. A linha horizontal fica na parte inferior enquanto que uma linha de tendência inclinada para baixo se forma. Como no caso ascendente, espera-se que os preços percorram uma distância equivalente ao tamanho do lado mais largo da formação.

Triângulo Simétrico
No triângulo simétrico os preços máximos e mínimos das flutuações atingem amplitudes cada vez menores. É uma formação típica de indecisão e a sua tendência está mais relacionada com a continuação da tendência corrente do que com reversão.


Outras Características dos Triângulos
Durante a formação do padrão os triângulos, geralmente, apresentam diminuição constante do volume, havendo um aumento significativo apenas na região de corte (rompimento), o que é um sinal bastante importante.
No que diz respeito a duração do padrão, em um nível diário, o triângulo demora algo em torno de 3 ou 4 semanas para se formar e raramente mais do que 90 dias. Entretanto, sempre é bom ressaltar que essa é uma expectativa e não a ação que o mercado vai efetivamente tomar.
O triângulo é um padrão de continuação de tendência, mas é importante lembrar que não necessariamente um triângulo simétrico ou ascendente vai romper para cima e um descendente para baixo. O rompimento pode ser para qualquer direção, o mais importante é saber se posicionar de acordo com o movimento posterior.

8.4. Topos e Fundos Duplos e Triplos
Neste capítulo analisaremos topos e fundos duplos como ferramentas de reversão. Para topos e fundos triplos as informações são igualmente válidas.
Topos Duplos
Topos duplos sinalizam o final de um mercado de alta. Eles são formados quando os preços sobem até atingir um determinado nível, geralmente, com volume aumentando durante o percurso e ao atingir esse nível começam um processo de retração com o volume diminuindo. Após a retração, uma nova alta inicia-se até voltar ao nível de preços atingido anteriormente ou bem próximo disso. O volume nesta segunda "viagem" poderá, inclusive, ser menor do que o volume gerado na formação do primeiro topo.


Na figura acima a linha vermelha representa duas vezes a altura do topo a partir de sua linha base. O tamanho da linha indica um preço-alvo para o movimento após a reversão. Para uma maior validade,muitas vezes os analistas apreciam uma certa separação entre os topos de pelo menos duas ou três semanas.
Fundos Duplos
Os fundos duplos possuem as mesmas características que os topos duplos, claro que trata-se do inverso, ou seja, um padrão que indica reversão para uma tendência de alta.

São válidos os mesmos conceitos em relação ao nível-alvo dos preços após a formação e o tempo de duração. Conforme os fundos vão se formando existe, normalmente, um aumento de volume associado, diminuindo na reação de volta até a linha base.

Topos e Fundos Triplos
Todos os conceitos são válidos para topos e fundos triplos, a única diferença é que existe um topo ou fundo a mais do que nos casos estudados.
Bandeiras e Flâmulas
Bandeiras e flâmulas são padrões muito úteis de continuação de tendência. Elas possuem características semelhantes:
Um movimento mais forte e objetivo inicial .
A correção do movimento.
Uma retomada do movimento na direção original.
São formações, em geral, de curta duração (1 a 3 semanas) que surgem com mais frequência em fases de subidas ou de quedas mais bruscas. O volume durante a formação tende a se reduzir, aumentando novamente no ponto de corte.
A diferença fundamental entre uma bandeira e uma flâmula é o formato do padrão corretivo da formação. Observe nas figuras abaixo que a bandeira é semelhante a um retângulo (podendo ter inclinação), enquanto que a flâmula é uma bandeira pontiaguda, lembrando bastante um triângulo.

8.5. Bandeira

8.6. Flâmula


8.7. Alvo Para os Preços
Como técnica de cálculo de alvo dos preços utilizamos o tamanho do movimento inicial até o início do padrão corretivo (primeira linha vermelha nas figuras acima). Então, quando acontece o rompimento (geralmente com aumento de volume conforme dito anteriormente) projetamos essa mesma distância a partir da linha base da bandeira ou flâmula (dando origem a segunda linha vermelha). Alguns analistas acreditam que a projeção pode ser feita do ponto mais alto da bandeira ou flâmula, entretanto, teriamos um alvo otimista nesse caso.

9. Padrões de Candlestick na Análise Técnica

Um determinado formato de candlestick, ou até mesmo uma sequência de formatos pode representar que a ação está perdendo força na tendência de alta ou baixa. Estas informações são indicações importantes sobre o que você deve fazer em relação aquela ação: comprar ou vender, e recebem o nome de Padrões de Candlestick.

Há diversos padrões já identificados pelos analistas como indicadores importantes no acompanhamento do preço de ativos.

Reversão:
Doji: figuras pequenas ou sem corpo, que demonstram que o ativo fechou o dia com o mesmo (ou quase o mesmo) preço de abertura. Caso apareçam em uma tendência de baixa, podem indicar reversão;
Engolfo: Uma figura de reversão composta por dois candles, onde o corpo do segundo engolfa todo o corpo do primeiro, sendo que o primeiro deve ser colorido e o segundo sem cor.
Harami de alta: uma figura de reversão secundária que é composta por dois candles, que ocorre após uma tendência de baixa. É o inverso do engolfo, com o segundo candle com o corpo dentro do primeiro.











9.1. Gap
Significa espaço em branco que nos gráficos são originados por períodos sem negociação. Ou também podem ser originados com mudanças bruscas nos níveis de preço de um ativo, entre dois períodos consecutivos. Pode ocorrer em duas situações:
(a) Quando o preço de abertura ou preço mínimo do período atual é maior que o preço máximo do período anterior.
(b) Quando o preço de abertura ou preço máximo do período atual é menor que o preço mínimo do período anterior.
Obseserve que preço de abertura no começo do leilão não tem máximo nem mínimo, como os preços em um pregão atual é dinâmico, os gaps podem ser cobertos com a mudança de preços no transcorrer do pregão.

(a) a abertura/mímima ficando acima da máxima do período anterior; ou
(b) a abertura/máxima ficando abaixo da mínima do período anterior.

Os Gaps trazem uma série de informações importantes que podem influenciar diretamente a percepção do trader sobre o movimento. A sua interpretação pode variar de um claro indicativo de força até uma expectativa de reversão dependendo do contexto no qual o gap se manifesta.

Um gap pode surgir em em nível diário, como intraday, semanal, mensal, anual, etc. Contudo, conforme o intervalo de tempo aumenta os gaps são cada vez mais raros. Para que ocorra, por exemplo, um gap no gráfico semanal não pode haver intersecção dos preços dos 5 dias de uma semana com os preços de nenhum dos 5 dias da semana seguinte.
A maioria dos gaps são fechados de maneira relativamente rápida.



Tipos de Gap
A análise técnica classificou os gaps em três tipos básicos: gaps de rompimento, gaps de continuação e gaps de exaustão. Vamos conhecer as diferenças entre cada um deles.

Gaps de Rompimento
Este tipo de gap é formado quando o preço rompe um padrão de preços ou acumulação. Ele enfatiza a força compradora ou vendedora do novo momento.
Gaps de Continuação
Os gaps de continuação surgem quando os preços estão fazendo um movimento claro em uma direção e com rapidez.
GAP de Exaustão
O GAP de Exaustão é facilmente confundido com o GAP de Continuidade, pois ocorre nas mesmas condições, porém o seu significado é que o final da tendência está próximo. Muitos traders desenvolveram técnicas complexas para tentar diferenciar um de outro, porém há uma forma muito mais fácil, basta olhar o comportamento histórico do ativo analisado.

10. Resumo dos Indicadores
10.1. Indicador de Força Relativa:
IFR FR Significa que: RESULTADO
10 0,11 o GM é 0,11×|PM| PREJUÍZO
20 0,25 o GM é 0,25×|PM|
30 0,43 o GM é 0,43×|PM|
40 0,67 o GM é  0,67×|PM|
50 1 o GM é  1×|PM| NEUTRO
60 1,5 o GM é  1,5×|PM| LUCRO
70 2,33 o GM é  2,33×|PM|
80 4 o GM é  4×|PM|
90 9 o GM é  9×|PM|
95 19 o GM é  95×|PM|
99 99 o GM é  99×|PM|
O Indicador de Força Relativa, em inglês também é conhecido como Relative Strenght Index (RSI), é um oscilador, indica o momento: mede a relação de compra é venda, isso expressa a força do mercado naquele momento do período escolhido. Essa relação indica se os preço estavam em alta ou em baixa no período escolhido para o cálculo. A interpretação sugere que acima de 70 o ativo está em uma condição de compra excessiva, ou seja, os preços estão altos, levando a pressão compradora a tornar-se fraca e abrindo espaço para uma correção. De maneira semelhante, abaixo de 30 aconteceram muitas vendas e o ativo está barato, sugerindo oportunidades de compra que podem dar origem a um movimento altista.
Seu acompanhamento muitas vezes possibilita observar o enfraquecimento de uma tendência, rompimentos, suporte e resistência antes de se tornarem aparentes no gráfico. O IFR forma padrões como Ombro Cabeça Ombro ou triângulos que, muitas vezes, não aparecem no gráfico dos preços, mas que são perfeitamente válidos, podendo indicar continuação ou reversão de tendência.
A base de dados para o cáculo das médias de ganho ou perda pode variar, o padrão é 14 períodos, porém depende da estratégia usada e do tamanho da tabela, o perído poderá ser de 9 dias, 20 dias, etc.

A tabela acima mostra alguns valores inteiros de IFR em função da FR: Quando  IFR aumenta, o FR aumenta e o GM aumenta.



10.2. Médias Móveis
Média Móvel Simple

Médias Móveis (MM), em inglês escreve Moving Average (MA),  é o indicador de tendência mais antigo utilizado na análise técnica. Ela é um tipo de indicador denominado rastreador. Os rastreadores podem ajudar a confirmar uma tendência quando esta se encontra  no início. Porém fornece informações imprecisas quando o mercado está andando de lado, ou seja, sem tendência definida.
A regra de decisão utilizando-se médias moveis funciona do seguinte modo:

Sempre que a média móvel mais "rápida", ou seja, a que utiliza a menor janela de dias, corta de baixo para cima a média móvel mais "lenta", ou seja, a que utiliza um janela maior, temos um sinal de compra. Caso o contrário ocorra, temos um sinal de venda.
Período considerado 20 50 100 200
Valor de K na MME 0,1 0,04 0,02 0,01
Uma tendência de curto prazo, frequentemente encontra suporte e resistência na MME de 20 dias, enquanto que uma tendência de longo prazo encontra estes pontos na MME de 200 dias.
Cruzamento MMExMME
Sinal de Compra: a MME mais curta cruza para cima da MME mais longa.
Sinal de Venda: a MME mais curta cruza para baixo da MME mais longa.
Cruzamento MMExPreço
A Média Móvel Exponencial também ajuda a sinalizar momentos de compra e venda quando cruza com a linha dos preços:
Sinal de Compra: quando os preços cruzam para cima da Média Móvel
Sinal de Venda: quando os preços cruzam para baixo da Média Móvel


10.3. Moving Average Convergence-Divergence
O MACD, sigla em inglês Moving Average Convergence-Divergence é um indicador técnico criado na década de 1960 por Gerald Appel, indica atendência.

Fórmula:

MACD = MME(12) - MMED(26)
Sinal =MME(9) do MACD
Eixo-y: MACD - Sinal
Eixo-x: períodos
Os valores 12 e 26 períodos são os mais comuns, mas podem ser alterados de acordo com a estratégia utilizada.
Criação do indicador:
Com base em uma tabela de cotações de um ativo, deve-se calcular para cada linha da mesma forma dos exemplos anteriores.
1º) Criar um MME(12), rápida, com base nas cotações de fechamento
2º) Cria um MME(26), lenta, com base nas cotações de fechamento.
3º) A linha MACD = MME(12) - MME(26), é a linha rápida, linha azul.
4º) A linha Sinal, linha lenta, será um MME(9) tendo a linha MACD como origem de dados.
5º) O eixo-y será a linha MACD - a linha Sinal e o eixo-x será os períodos das cotações.

Sinal de compra: Um sinal de compra é gerado sempre que a linha azul (linha MACD) cruza para cima da linha vermelha (linha de sinal MACD) quando estas linhas estiverem abaixo de 0, zona considerada sobre vendido (oversold), normalmente o MACD é associado a outros estudos para confirmação das compras e vendas.

Sinal de venda: É gerado sempre que a linha azul cruza para baixo da linha vermelha quando estas linhas estão acima de 0, zona considerada sobre comprado (overbought), normalmente o MACD é associado a outros estudos para confirmação das compras e vendas.



10.4. Desvio Padrão
O desvio padrão é uma boa medida de variância, dispersão ou volatilidade. Ele indica o quanto os números de um conjunto se desviam da média.
Variância Populacional: é a média dos quadrados dos desvios de um conjunto de dados de uma população com N entradas (observer que é desvio e não desvio médio).
Desvio Padrão Populacional: é a raiz quadrada da variância populacional.


11. PIVOT
Uma tendência é constituída de topos e fundos consecutivos que se movimentam em determinada direção. No momento que ocorre a reversão da tendência é denominado Pivot de Alta ou Pivot de Baixa.
pivot (ˈpɪvət):  s. 1. eixo, 2. pivô.

O pivot é uma constante, ou seja, é uma reta horizontal.
O pivot é plotado em faixas de períodos do gráfico, poder ser mensais, semanais, diários, horas e minutos.

Pivot de Baixa: Quando dentro de uma tendência de alta é formado um topo mais baixo que o anterior. A confirmação do Pivot de baixa ocorre no rompimento do suporte gerando uma oportunidade de venda. A figura abaixo mostra a formação de um pivot de baixa.
Máximo => Mínimo => Fechamento

Pivot de Alta: Quando dentro de uma tendência de baixa é formado um fundo mais alto que o anterior. A confirmação do Pivot de Alta ocorre no rompimento da resistência gerando uma oportunidade de compra. A figura abaixo mostra a formação de um pivot de alta.
Mínimo => Máximo => Fechamento




Ou seja, o Pivot é o momento que sinaliza uma possível reversão de tendência.

O ponto pivot e os níveis de suporte e resistência a ele associados são calculados através da abertura, alta, baixa e fechamento da última sessão.

Para um Período:
Máx: preço máximo anterior.
Mín: preço mínimo anterior.
Fec: fechamento anterior.
Abe: abertura anterior.
Amplitude= Máx - Mín.

Começa o cálculo com PP = (Máx + Mín + Fec)/3.
ou
Começa o cálculo com PP = (Máx + Mín + Fec + Abe)/4.

A fórmula pode ser desenvolvida de três formas algebricamentes iguais:
Suportes (forma 1)
Suporte (forma 2)
Sup1= (2×PtoPivolt) - Máx
Sup2 = PtoPivolt - (Res1 - Sup1)
Sup3 = PtpPivolt - (Res2 - Sup2)
Sup1 = (2×Pivot Point) – Máx
Sup2 = Pivot Point – Máx+ Mín
Sup3 = Mín – 2 * (Máx – Pivot Point)

Resistência (forma 1)
Resistência (forma 2)
Res1= (2×PtoPivolt) - Mín
Res2 = PtoPivolt + (Res1 - Sup1)
Res3 = PtpPivolt + (Res2 - Sup2)
Resistência (R1) = (2×Pivot Point) – Mín
R2 = Pivot Point + Máx – Mín
R3 = Máx + 2×(Pivot Point – Mín)

Forma 3: esta forma é mais fácil a compreensão da fórmula. A amplitude facilida a interpretação da fórmula.
Amplitude
Possíveis Fórmula para calcular PP
Amplitude: Máx - Mín
% Amplitude: (Máx - Mín) / (Fechamento Anterior)
PP1=(Máx+Mín+Fec)/3
PP2=(Máx+Mín+Abe)/3
PP3=(Máx+Mín+F+Abe)/4
PP4=(Máx+Mín+Fec+Fec)/4
PP5=(Máx+Mín)/2
PP6=(Máx+Fec)/2
PP7=(Mín+Fec)/2
Alteração
Alteração: Fechamento - Fechamento Anterior
% Alteração: (Fechamento - Fechamento Anterior) / (Fechamento Anterior)
% Tendência
Cálculo: ABS (Fec - Abe) / Amplitude


Fórmula Clássica
Pontos de Pivô Woodie
R4 = R3 + Amplitude = PP + Amplitude×3
R3 = R2 + Amplitude = PP + Amplitude×2
R2 = PP + Amplitude
R1 = (2×PP) - Mín
PP = (Máx + Mín + Fec) / 3
S1 = (2×PP) - Máx
S2 = PP - Amplitude
S3 = S2 - Amplitude = PP - Amplitude×2
S4 = S3 - Amplitude = PP - Amplitude×3
R4 = R3 + Amplitude
R3= Máx + 2×(PP - Mín) = R1 + Amplitude
R2 = PP + Amplitude
R1 = (2×PP) - Mín
PP = (Máx + Mín + Fec) / 3
S1 = (2×PP) - Máx
S2 = PP - Amplitude
S3 = Mín - 2×(Máx - PP) = S1 - Amplitude
S4 = S3 - Amplitude
Pontos de Pivô Camarilla "Pontos de Pivô " Tom DeMark"
R4 = Fec + Amplitude×1.1/2
R3 = Fec + Amplitude×1.1/4
R2 = Fec + Amplitude×1.1/6
R1 = Fec + ALCANCE×1.1/12
PP = (Máx + Mín + Fec) / 3
S1 = Fec - Amplitude×1.1/12
S2 = Fec - Amplitude×1.1/6
S3 = Fec - Amplitude×1.1/4
S4 = Fec - Amplitude×1.1/2
R1 = X / 2 - Mín
PP = X / 4 (este não é um número DeMark oficial, mas apenas um ponto de referência com base no cálculo do X)
S1 = X / 2 - Máx
Condicional se a abertura for após o fechamento:
Se Fec < Abe então X = (Máx + (Mín×2) + Fec)
Se Fec > Abe então X = ((Máx×2) + Mín + Fec)
Se Fec = Abe então X = (Máx + Mín + Fec×2)


Cálculo
Será utilizado a mesma tabela do último indicador estudado, serão feitos os cálculos apenas até a linha 11, será utilizado a fórmula clássica. O pivot será calculado de 5 em 5 dias, o preenchimento automático só é utilizado para os três dias finais desses intervalos. Para simplificar será plotado apenas três linhas, PP, R1 e S1.
Portanto:
H2=(E2+F2+B2)/3
H3=$H$2
...
H7=(E7+F7+B7)/3
H8=$H$7
...
I2=2*H2-E2
I3=$I$2
...
I7=2*H7-E7
I8=$I$7
...
J2=2*H2-F2
J3=$J$2
...
J7=2*H7-F7
J8=$J$7
...

Na tabela fica assim:

A
B
C
D
E
F
G
H
I
J
1
Data Cotação Variação %Variação Mínimo Máximo Volume PivotPoint R1 S1
2
12/06/17 26,84 -0,46 -1,68% 26,53 27,51 5185200 =(E2+F2+B2)/3 =2*H2-E2 =2*H2-F2
3
13/06/17 26,37 -0,47 -1,75% 26,15 26,89 4566900 =$H$2 =$I$2 =$J$2
4
14/06/17 26,1 -0,27 -1,02% 25,81 26,73 7632000


5
16/06/17 25,56 -0,54 -2,07% 25,4 26,01 12977600


6
19/06/17 26,39 0,83 3,25% 25,9 26,89 5718900


7
20/06/17 25,71 -0,68 -2,58% 25,52 26,14 4354800 =(E7+F7+B7)/3 =2*H7-E7 =2*H7-F7
8
21/06/17 26,47 0,76 2,96% 25,8 26,78 2750600 =$H$7 =$I$7 =$J$7
9
22/06/17 27,02 0,55 2,08% 26,32 27,51 4682500


10
23/06/17 27,24 0,22 0,81% 26,77 27,49 4854400


11
26/06/17 27,47 0,23 0,84% 27,3 27,67 4031700



Resultado após o preenchimento automático:

A
B
C
D
E
F
G
H
I
J
1
Data Cotação Variação %Variação Mínimo Máximo Volume PivotPoint R1 S1
2
12/06/17 26,84 -0,46 -1,68% 26,53 27,51 5185200 26,96 27,39 26,41
3
13/06/17 26,37 -0,47 -1,75% 26,15 26,89 4566900 26,96 27,39 26,41
4
14/06/17 26,1 -0,27 -1,02% 25,81 26,73 7632000 26,96 27,39 26,41
5
16/06/17 25,56 -0,54 -2,07% 25,4 26,01 12977600 26,96 27,39 26,41
6
19/06/17 26,39 0,83 3,25% 25,9 26,89 5718900 26,96 27,39 26,41
7
20/06/17 25,71 -0,68 -2,58% 25,52 26,14 4354800 25,79 26,06 25,44
8
21/06/17 26,47 0,76 2,96% 25,8 26,78 2750600 25,79 26,06 25,44
9
22/06/17 27,02 0,55 2,08% 26,32 27,51 4682500 25,79 26,06 25,44
10
23/06/17 27,24 0,22 0,81% 26,77 27,49 4854400 25,79 26,06 25,44
11
26/06/17 27,47 0,23 0,84% 27,3 27,67 4031700 25,79 26,06 25,44

Gráfico:


12. Escolha do Ativo
A importância de conhecer o mínimo de informação sobre o ativo. Ativos que pertencem a bovespa. Ativos que não pertencem a Bovespa.
Histórico de cotação: como se comportou nos momentos de crise econômica?
Qual a normalidade: da volatilidade, amplitude, tendência, máxima, mínima, alta acumulada, baixa acumulada, indicações de carteira, mercado externo, é influênciada pelo dólar, o setor está favorável, o ativo segue o ibovesta, spread, etc...

Maiores Volumes (11:35 H)
Posição Ativo Último 
preço
Variação
(%)
Preço
abertura
Preço
mínimo
Preço
máximo
Qtde.
total
Volume
total
Qtde.
negócio
1 PETR4 16,31 0,99 16,19 16,17 16,37 9m 151.090.930,00 6k
2 VALE3 33,47 1,42 33,75 33,35 33,77 5m 183.785.395,00 4k
3 VVAR11 23,99 0,25 23,95 23,82 24,79 1m 29.290.425,00 3k
4 USIM5 10,24 1,49 10,37 10,15 10,41 6m 69.051.907,00 3k
5 BTOW3 22,07 3,08 22,00 21,77 22,48 1m 27.538.234,00 2k
6 MGLU3 71,83 2,63 71,00 70,08 72,39 647k 46.199.509,00 2k

Maiores Altas (11:35 H)
posição Ativo Último 
preço
Variação
(%)
Preço
abertura
Preço
mínimo
Preço
máximo
Qtde.
total
Volume
total
Qtde.
negócio
1 PDGR11 0,02 100,00 0,02 0,01 0,02 21k 336,00 6
2 FRIO3 55,00 7,84 55,00 55,00 55,00 100 5.500,00 1
3 VIVR3 2,69 5,49 2,54 2,54 2,72 41k 110.318,00 51
4 AVON34 3,68 5,14 4,20 3,68 4,20 400 1.528,00 3
5 LPSB3 6,28 4,67 6,03 6,03 6,30 68k 424.146,00 194
6 KNRE11 1,01 4,12 0,97 0,97 1,01 6k 6.869,00 5


Últimas orientações:
- Cuidado com Propagandas: geralmente possui abordagem superficial, manipulação de resultados, promessas, testemunho, está ligada a venda de produto ou doação voluntária. Comentários,  citações a origem superior (EUA, Europa, etc...), etc, tudo isso é propaganda que não passa de exagero para chamar a atenção.
- Pesquise e escolha uma corretora que tenha simulação no home broker.
- Objetivos e metas devem ser programados, os testes devem ser feitos com dados históricos ou simulados. O procedimento para operacionalização da estratégia deve ser escrito e checado sua eficácia.
- Antes de começar a operar aprenda a operar comprado e vendido, começe com pouco (pouco é um valor que não fará nenhuma falta para você).
- Crie hábitos saudáveis. Reavalie seu comportamento. Seja antes de tudo autodidata. Não seja tão dependente de tudo. Crie dúvidas e resolva. Não acredite em mestres, comentaristas, etc, a conclusão tem de ser sua, ou seja, não tenha crença, tenha opnião formada. Não decore nada, assimile o significado, entenda e saiba usar. Monte seu próprio manual, escreva tudo, não confie na memória. Não haja por impulso.
- Todo mundo quer ganhar o máximo possível, os clientes, os bancos e as corretoras, portanto, gerente de banco e consultor de investimento irão reinvestir o dinheiro aplicado pelo cliente.
- A aptidão nata e adquirida estão relacionadas com a facilidade na execução de um trabalho. 
- A necessidade torna racional as decisões que tomamos.
- A expectativa de ganha dinheiro deve ser proporcional a nossa habilidade em investir.

13. Tradução Inglês
- spread (sprɛd): v.  1. abrir, estender. Alex spread the map out on the floor. Alex abriu o mapa no chão; 2. alastrar, espalhar, alastrar-se, espalhar-se (fogo, doença, etc.); 3. espalhar-se (notícia, boato, etc.). s. 1.  disseminação; 2. pasta (para pão, etc.).
- tick (tɪk): s. 1. tique-taque, 2. tique (sinal), USA: diz-se check. v. 1. fazer tique-taque; 2. ticar. tick away/tick by: passar (tempo, minutos)
- candle (ˈkændl):  s. vela
- candlestick (ˈkændlstɪk/): s. castiçal (vela com "suporte").
- stick (stɪk): v. (passado & particípio stuck) 1. enfiar. The nurse stuck a needle in my arm. A enfermeira enfiou uma agulha no meu braço. 2. colar, grudar. We stuck our vacation photos in the album. Colamos as fotos das nossas férias no álbum. to stick sth to sth. grudar algo em algo. 3.  pôr (informal). Stick the boxes in the kitchen. Ponha as caixas na cozinha. 4. emperrar. stick around. ficar (informal). I think I'll just stick around here for a while. Acho que vou ficar por aqui um pouco.
s. 1. graveto, vara. 2. bengala (também walking stick). sticks. plural in (out) the sticks. no fim do mundo, muito longe (informal).
- gape (geɪp): v. to gape at sth/sb. olhar algo/alguém boquiaberto.
- gap (gæp): S. 1. vão (entre objetos), 2  espaço em branco (num texto), 3.  fresta (numa cerca), 4 abismo, diferença.
uma grande diferença de idade.
- pivot (ˈpɪvət): s. 1. eixo, 2. pivô.
- moving (ˈmuvɪŋ):  adj. 1.  comovente, emocionante; 2. móvel.
- average (ˈævrɪdʒ): adj. 1. médio. s. média.
- convergence (kənˈvɜrdʒəns): s. convergência.
- hammer (ˈhæmər): s. martelo. v. martelar.
- piercing (ˈpɪrsɪŋ): adj. 1. agudo (grito), 2. penetrante olhar.
- shooting (ˈʆutɪŋ): s. 1. tiroteio (ato), 2. tiroteio (série de tiros), 3. caça.
- star (stɑr): s. 1. estrela (no céu), 2. astro (pessoa), estrela. v. estrelar.
- dragonfly (ˈdrægənflaɪ): s. libélula.
- gravestone (ˈgreɪvstoʊn): s. lápide (mesma semântica do verbo lapidar, placa com inscrições comemorativas).
- doji: em simultâneo (japonês).
- fixings (ˈfɪksɪŋz): s. pl. the fixings: os acompanhamentos (numa refeição).
- balance (ˈbæləns): S. 1. equilíbrio (estabilidade), to keep/lose your balance manter/perder o equilíbrio; 2.  saldo (de conta bancária); 4. balança (para pesar). V. equilibrar-se.
- range (reɪndʒ): S. 1. gama (intervalo de valores); 2. alcance (de arma de fogo); V. to range from sth to sth: ir de algo a algo.
- tape (teɪp): s. 1. fita (para gravar), 2. fita adesiva, 3. tira, fita; v. 1.  gravar.


Referências:
- Regulamento de Operações – Segmento Bovespa
- Manual de Procedimentos Operacionais – Segmento Bovespa
- MEGA BOLSA Manual do Usuário Segmento BOVESPA v. 8.0
http://br.advfn.com/bolsa-de-valores/bovespa/banco-do-brasil-BBAS3/historico
http://uolinvest.economia.uol.com.br/
http://folhainvest.folha.uol.com.br/
http://exame.abril.com.br/
- Manual Tradezone